Capa do Livro: Audaz: as 5 competências para construir carreiras e negócios inabaláveis nos dias de hoje. Escrito por Mauricio Benvenutti, publicado em 2018 pela Editora Gente.

Saiba como construir negócios e carreiras inabaláveis.

Nas últimas décadas a comunicação passou a ser cada vez mais digital e principalmente, tornou-se cada vez mais gratuita. Já podemos encontrar pontos de acesso à internet de forma gratuita a alguns anos em vários locais, tanto públicos quanto privados. Os dispositivos de conexão com a rede, se tornaram cada vez mais portáteis, leves e diversos. Os meios de impressão que antes eram dominados somente por impressoras com papel cederam seu lugar a impressoras 3D, capazes de imprimir desde peças a equipamentos completos e avançando cada vez mais para a impressão celular de órgãos vivos. A fronteira da aplicação transcendeu a empresas privadas e públicas e chegou aos lares, com utilização das mais variadas possíveis.

Este cenário nos coloca diante da nova revolução que será enfrentada. Da industrial que envolvia homens e máquinas para as que envolverá conhecimento e tecnologia. Esta nova revolução nos colocará diante do cenário de nos adaptarmos novamente ao sentido de viver. O cenário computacional será tão potencializado que a capacidade humana de comunicação com estes equipamentos será meramente um modus operandi simples de uma vida cotidiana.

O ser humano iniciará a fase do empoderamento pleno, diferente do “ter poder”. Isto teve início na expansão e socialização constante das informações nas mais diversas áreas de conhecimento. Fazendo que tecnologias até então tidas como “sonhos” estivesse ao nosso simples alcance.

Em paralelo aos fatos ocorridos, a realidade atual está transformando toda a estrutura de comando clássica das empresas, tipo piramidal, para as estruturas do tipo retangulares. Agora deixamos de ter funcionários para ter colaboradores das empresas, com conhecimentos e habilidades específicas. Onde a soma de cada parte representa o todo do universo empresarial. Isto não significa que a tecnologia está acabando com os postos de emprego, mas sim, forçando as pessoas a estarem se capacitando cada vez mais. Assim, conseguimos nos adaptar as mais diversas e complexas posições dentro da organização, sendo no sentido horizontal ou vertical. Até porque o valor a ser recebido deixa de ser o cargo que você ocupa, mas sim o valor que você gera.

Cabe então uma reflexão bem interessante: O que você está fazendo para seu futuro? Se analisarmos de forma individual qualquer atividade executada, todas acabam no mesmo cenário: a) como pode-se reduzir as tarefas repetitivas e simplificar os processos para que se ganhe tempo e consequentemente redução de custo, resultando em aumento da lucratividade de cada operação; b) que tecnologia pode-se aplicar sobre esta tarefa buscando automatizar ao máximo o processo; c) você está preparado para toda esta transformação?

As máquinas se tornarão cada vez mais inteligentes e cada vez mais exigirá pessoas capazes de operá-las. Claro que isto vai refletir diretamente no tipo de conhecimento profissional, sendo que muitos vão ser extinguidos. Porém, no outro lado da situação, muitos outros serão criados. Adaptação será cada vez mais exigida, não importa qual o setor. Do agronegócio a relacionamento no terceiro setor econômico. Você quer se destacar? Inicie desaprendendo para aprender novamente. Acredite que novas competências devem ser criadas para poder ocorrer o destaque na sociedade.

O outro viés a ser observado será a capacidade empreendedora cada vez mais aguçada. Cada um de nós poderá inevitavelmente deparar-se com oportunidades de desenvolvimento de atividades para a complementação das que já existem ou, para as novas que ainda nem imaginamos que vão existir. Entender a diferença entre problemas e desafios será compreendido somente por aqueles que estarão preparados para isto. Mas ainda assim existiram os calçados em desculpas, justificativas e das explicações dos negativos. Para estes surge a pergunta: “em uma corredeira, você quer ser o tronco ou a água”.

Bem, se respondeu que ser o tronco para ficar flutuando, lembre-se que ele encalha ou encalha em tudo quanto é obstáculo. Já a água contorna os mesmos e somente aumenta sua velocidade. É assim que devemos pensar, vamos ficar encalhados ou engalhados nos obstáculos ou vamos simplesmente contorná-los e aumentar cada vez mais nossa energia? Cada um com seu pensamento.

E temos que ter em mente que os desafios e mudanças que estamos vendo são apenas o início de tudo o que está por vir. E todas as tecnologias que estamos vivenciando hoje interagem entre si. Se já não o fazem assim, com certeza o farão em pouco tempo. E esta junção se tornará em uma grande onda revolucionária. O choque será enorme e exigirá uma ruptura com a postura atual dos profissionais. Ao invés da concordância uniforme entre os componentes, deverão ocorrer.

Este tsunami intitulado de ruptura é enorme e exige cada vez mais uma readequação de postura do novo gestor do novo milênio. Ao invés da busca por concordância se deve buscar a discordância, debates, discussões e construir algo totalmente novo.

Mesmo levando em consideração todas as novas descobertas tecnológicas disponíveis a algo extremamente complexo de mudanças, a mentalidade humana. Criar ou buscar o diferente, ser o agende impulsionador de disruptura não está ligado a tecnologia. O principal componente está relacionado a capacidade de nós seres humanos temos de nos reinventar em nossas competências e nossas habilidades. Conforme Darwin, as espécies evoluem e se adaptam ao meio. Isto está ocorrendo conosco a séculos. Porém não tão rápido como este em que estamos vivenciando. E sem contar com os próximos que estão por vir.

Se analisarmos de maneira generalista, o tipo de pessoa que estará preparada para o futuro deverá ter em seu DNA impresso a busca por desafios, busca por realizações complexas, pessoas positivas e inspiradoras. Não temos mais espaço para os pessimistas de plantão onde o copo estará sempre meio vazio e nunca meio cheio. Não terá espaço para possuidores de respostas prontas ou os especialistas em procrastinação.

Quer ser diferente, tenha ideais diferentes. Quer ser forte, tenha atitudes que demonstre sua força. Se você não tiver um ideal, se você não estiver focado estará como um barco sem leme. Por onde a maré for o barco também irá.

Desta forma procure focar e somente assim conseguiras visualizar e compreender o próximo passo a ser dado. E, estando a frente poderás implementar o diferente e avançar criando novos caminhos. É a habilidade de se adaptar às adequações tecnológicas em curso que manterá na vanguarda do seu sustento.

Este artigo foi desenvolvido com base no livro: Audaz: as 5 competências para construir carreiras e negócios inabaláveis nos dias de hoje. Escrito pelo meu amigo Mauricio Benvenutti, publicado em 2018 pela Editora Gente.

Johnny PereiraPD Sistemas – Gestão de Resultados

Veja outros conteúdos